Um país “à medida” das nossas possibilidades


Castelo de Almourol 4

Almourol: a nova capital de Portugalinho

O Governo está a analisar a hipótese de nos “mudarmos” todos para um país mais pequeno, com menos território e, consequentemente, menores custos de infra-estruturas. Este país onde temos vivido está francamente acima das nossas possibilidades (além de mais endividado que aquele Espírito Santo que partiu uma fortuna de 1 milhão de contos no Casino).

Berlengas: vários T1 prontos a habitar

Berlengas: vários T1 prontos a habitar

Madeira: os antigos túneis são um espaço privilegiado para albergar os sem-abrigo

Madeira: os antigos túneis são um espaço privilegiado para albergar os sem-abrigo

A ideia seria povoar todas as ilhas, incluindo Desertas, Selvagens, Berlengas, e manter os castelo de Almourol e as ilhas da Ria Formosa, bem como, claro, Açores, Madeira e Porto Santo.

Assim, podíamos vender o resto do actual território aos Alemães, Espanhóis ou a quaisquer outros interessados e liquidar a dívida.

Viveríamos mais apertados, é certo, mas, como muitos morreriam durante o transporte, e por falta de assistência médica muitos mais morreriam mais tarde, parte do problema resolvia-se por si, sem nos desviarmos um milímetro da linha de orientação política do Governo para esta matéria.

Arquipélago dos Açores

Arquipélago dos Açores

Ilhas Selvagens

Ilhas Selvagens

Quanto mais penso neste assunto mais a ideia me parece ter toda a lógica. Senão vejamos: o facto de o Interior estar quase deserto mostra que os portugueses revelam uma acentuada preferência por habitar mais próximo do mar.

Ora onde é que isso acontece, por excelência? Nas ilhas, em geral, e nas nossas ilhas, em particular, que são todas pequenas.

Por outro lado, o facto de não ser preciso comprar, nem invadir, o território de nenhum outro país, constitui uma enorme vantagem uma vez que também não tínhamos dinheiro nem forças armadas para tal. O problema das mudanças seria facilmente resolvido pela Marinha que, deste modo, aproveitava para tirar o pó e as teias de aranha aos submarinos e às fragatas.

 Genial, não?

Adenda: por lapso esqueci-me de referir a Ilha do Pessegueiro, que ficaria reservada para o Miguel “bater punho” Gonçalves poder esgalhar os seus inúmeros projectos de empreendedorismo.

Ria Formosa - Ilha de Tavira

Ria Formosa – Ilha de Tavira

Anúncios

4 thoughts on “Um país “à medida” das nossas possibilidades

  1. Uma vez, era a ministra das finanças, Manuela Ferreira Leite, disse num curso de patrão de costa, que um dia se teria um imposto sobre o vento que tão necessário é para a navegação à vela…Um colega de imediato retorquiu que eu falasse baixo, pois que se a dita cuja, ouvisse, poderia muito bem aceitar essa ideia. Ora neste caso de nos mudarmos para as nossas (nossas???) ilhas, eu digo o mesmo, cuidado com a divulgação deste pensamento, que o mais certo depois, será o tal “Gasparove” mandar fazer uma ponte marítima e nos obrigar a mudar os nossos escassos “tarecos” e assim, ele ficar com a falta de oposição à venda (não foi já vendido???) do nosso país continental…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s