5ª Feira: Polícia “fomenta” a prática de um crime?


DIGITAL CAMERANão estava em Lisboa e por isso não presenciei os acontecimentos pessoalmente.

Todavia, vi e revi as diversas imagens que passaram nos canais de notícias e, tendo em conta ambas as circunstâncias supra, creio que há umas quantas conclusões que saltam à vista. A saber:

1 – A polícia dispunha de antemão da informação, verdadeira ou falsa, de que um grupo de pessoas planeava bloquear a ponte;
2 – Em consequência desenhou uma estratégia para facilitar, leia-se dirigir, o grupo de manifestantes na direcção da ponte, bloqueando ruas, e cooperando, leia-se orientando, os manifestantes baseada nessa presunção/informação;
3 – Um enorme aparato logístico, constituído por uma quantidade surpreendente de carrinhas, com capacidade para transportar cerca de 200 homens, estava escondida numa das ruas do Bairro Bela Flor, muito antes de os manifestantes estarem sequer próximos do Bairro;
4 – Tratou-se, portanto, de uma armadilha, provavelmente com base nalguma Intel proveniente do FB, de escutas telefónicas ou, pior, de algum agente infiltrado;

Em qualquer dos casos, a polícia cometeu uma ilegalidade muito fácil de demonstrar, pedindo as imagens exibidas aos canais de TV. A polícia foi cúmplice, do seu próprio ponto de vista, no planeamento, facilitação e realização de um crime, o que, à luz da actual Legislação em vigor em Portugal, é proibido por Lei e constitui, em si mesmo, a prática de um crime. Todas as provas obtidas em resultado desta ilegalidade não são válidas em Tribunal.

Se este meu parecer estiver certo e os diferentes Advogados se entenderem para suscitar este incidente processual, como na minha opinião podem e devem, todo o processo será improcedente, com base na acusação que foi apresentada.

Em todo o caso, todos temos muitas lições a retirar do que se passou. Espero que nenhum de nós deixe de o fazer.

Abraço e solidariedade incondicional com todos os arguidos no processo.

NB: Não obstante, faço questão de informar que discordo da ideia inicial.

8 thoughts on “5ª Feira: Polícia “fomenta” a prática de um crime?

  1. Isto realmente não faz sentido algum. Então a premissa base de todo este alarido é mais ou menos a seguinte: “a polícia foi cortando ruas e direccionando os manifestantes para a ponte, para depois os poder apanhar e acusar de um crime – uma armadilha vil e velhaca!”…é isto correcto?
    Permitem-me então tentar esmiuçar esta bronca.

    a) Jargão: “Se fulano X te dissesse para te mandares para um poço mandavas-te?”…é que isto de acusar a polícia de guiar os manifestantes a cometer um crime faz-me tecer 3 reparos: 1. os manifestante não têm consciência própria?; 2. se sempre que a polícia dá um peido (perdoem-me a expressão) é porque o faz para intoxicar alguém com o CH4 seu constituinte, e se a malta das manifestações já é tão sobejamente conhecedora destas tácticas, não será tudo isto masoquismo crónico ou estupidez sistemática?; 3. este tipo de culpabilização não é semelhante à culpabilização das vítimas de violação? Conseguem ver a falácia que isto contém?…enfim.

    b) Pergunto-me quais seriam os argumentos agora se a polícia tivesse interrompido a “festa” antes da chegada da massa manifestante à Ponte…

    c) O salto que o autor faz para a conclusão final a partir dos pontos anteriores (especialmente a questão das carrinhas com capacidade para transportar 200 homens…não vi 200 polícias por lá, nem vi 200 manifestantes nessas carrinhas, mas tudo bem…) é do mais biased que há. Sinceramente enquanto isto continuar assim – uma guerrinha de propaganda entre média e “manifers” – esta merda será sempre a mesma treta.

    d) Espero que nenhum “manifer” seja atropelado a tentar fazer uma brincadeira destas numa próxima vez…estupidez à parte, a segurança acima de tudo.

    Boas manifs e menos cortes de pontes 😉

    • Que a polícia levou os manifestantes para onde levou, pelo processo de fechar ruas, com carros e grades não é uma opinião é um facto evidente nas muitas imagens que há.
      Tudo o resto são questões jurídicas. Pelo que o comentário acima não tem qualquer sentido. Decidi publicá-lo mesmo assim porque creio que o próprio tipo de argumentos que apresenta contribui para demonstrar a minha hipótese.

      • João a menos que alguém ameace de morte ou execute qualquer outro tipo de acção com força suficiente para levar alguém a fazer aquilo que NÃO QUER (ser coagido), vai-me desculpar, mas nestes termos a hipótese que apresenta é falsa. E repare no ênfase que é dado à vontade/intenção de quem comete a ilegalidade. O senhor mesmo diz: “A polícia dispunha de antemão da informação, verdadeira ou falsa, de que um grupo de pessoas planeava bloquear a ponte;” e “tratou-se, portanto, de uma armadilha, provavelmente com base nalguma Intel proveniente do FB, de escutas telefónicas ou, pior, de algum agente infiltrado;”…pergunta: você está claramente a assumir que houve intercepção de informação por parte da polícia, ou seja, implicitamente admite que havia intenção por parte dos manifestantes de ocupar a ponte, ou não está? Ainda dá o dito por não dito quando põem em causa a veracidade da informação, e só este pequeno pormenor lhe permite concluir a sua tese pondo em destaque a hipótese de toda esta situação ter sido uma armadilha montada pelas forças de segurança. Só gostava de perceber se os manifestantes não teriam percebido então esta manobra in situ, é que dar meia volta e seguir na mesma rua mas em direcção oposta mantinha a manifestação activa e mais produtiva (na minha opinião claro, que vale o que vale…).
        Não quero ofender ninguém, mas esta hipótese roça a paranóia, perdoe-me, mas é aquilo que penso.
        Um resto de um óptimo dia.

  2. Pequena peça baseada na manifestação do dia 27 de Junho
    (A mesma que chamaram de “Tentativa de corte à Ponte 25 de Abril”)

    O título desta peça é baseado no contexto ridículo do acontecimento. Decidi chamar-lhe:

    CORTA-ME OS PULSOS COM UMA BOLACHA MARIA

    Algures em Marte…

    Arguida- Meus queridos Mídias, vamos lá todos juntos e de mãos dadas, repensar sobre tudo isto. Dizem que fomos apanhados em flagrante delito…

    Correio da Manhã – De litro!

    Arguida- Não meus queridos, DE-LI-TO. Vá, ouçam com atenção para perceberem bem a história. SIC e TVI, se não pararem de trocar cromos no meio da aula, vamos ter que vos inventar mais programas parvos. Logo trocam isso no intervalo. Vamos continuar. Como ia a dizer, acusam-nos de termos sido apanhados em flagrante delito. Flagrante. Alguém sabe o que significa? (som de mosca). Então, flagrante diz-se do ato, em cuja prática a pessoa é surpreendida. Neste caso, a polícia. Bom, considerando que o trajeto que foi sendo aberto pelos polícias, desde o Rato, por nos terem cortado o acesso ao Marquês, até por debaixo do viaduto Duarte Pacheco, deve ter demorado cerca de uma hora… Não sei efetivamente se o problema é meu, mas penso que nunca levei uma hora a ser surpreendida. Enfim, cada pessoa leva o seu tempo. Nunca se esqueçam disso meus queridos Mídias e espero sinceramente que tenham essa experiência nas vossas vidas. A de espalhar felicidade por uma hora. TVI larga o telemóvel! Bom, como nós, seres humanos, somos sobredotados e adivinhamos o futuro, já sabíamos que os polícias nos iam cortar o acesso ao Marquês para nos abrir o acesso às Amoreiras. Como tal, é claro que decidimos pedir ao senhor da bomba de combustível da Galp, perto do viaduto, para nos guardar 5 garrafas de plástico com qualquer coisa dentro, que nem sabíamos o que era, que mais tarde esquecemos na própria bomba de combustível. Esqueço-me de anotar as coisas e depois é isto! Pensei em mandar guardar também um chocolate, mas fui à carteira e só tinha vinte cêntimos.

    Parlamento- Andam-lhe a roubar Arguida. Compro chocolate por 5 cêntimos!

    Arguida- Por isso é que estás gordo Parlamento. Bom, continuemos porque não temos até às 2 e tal da manhã para andar com brincadeiras. Sem chocolate mas com uma enorme escolta policial a guiar-me, senti-me mais protegida do que a rainha D. Leonor. Chegamos por baixo do viaduto Duarte Pacheco e a polícia manda-nos parar e como tal, nós parámos. Já te disse para largares o telemóvel! Que chatice! Bom. De repente vimos chegar cerca de dez carrinhas cheias de polícias. Nunca me esquecerei! Tivemos direito a um abraço de grupo, e sempre abraçados fomos levados junto ao Bairro da Bela Flor, ao sol e os passarinhos assobiavam o Grândola Vila Morena. Estava tanto calor que devia ter levado a minha cesta de picnic.

    SIC- Isso é perto da A5 não é?

    (Batem à porta.)

    Justiça- Posso entrar?

    Arguida- Andas sempre a chegar atrasada Justiça! Ai, ai, ai. Vá, senta-te lá e houve com atenção. Bem, durante várias horas estivemos a aprofundar conhecimentos de geografia e a tentar perceber o porquê das flores não crescerem no alcatrão. Testamos a capacidade do mesmo horas a fio e depois percebemos que sem água nada sobrevive, como é natural.

    Correio da manhã- Posso ir á casa de banho?

    Arguida- Tivesses ido antes. Continuando. Passadas algumas horas e depois de assassinarem várias árvores, deram-nos folhas para assinar, acusando-nos de manifestação ilegal e de que queríamos cortar a ponte 25 de Abril. COR-TAR-A-PON-TE-VIN-TE-E-CIN-CO-DE-A-BRIL… Sou só eu, ou…? Enfim, quero que reflitam acerca disso meus queridos Mídias. (Som da campainha.) Quero as repostas amanhã em cima da minha secretária. Tragam uma resposta plausível. Para a próxima aula, vamos ler a história do burro e da cenoura, mas numa nova versão.

    (Já no corredor.)

    Correio da manhã- Não percebi o que é que tinha 5?

    RTP Memória- A5, burro! A autoestrada!

    FIM

  3. JÁ NÃO É A PRIMEIRA VEZ QUE A POLICIA TEM COMPORTAMENTO ESTRANHO. TENHAM ATENÇÃO AO QUE ANUNCIAM COM MUITA ANTECEDÊNCIA. HÁ MUITA COISA PARA FAZER QUE NÃO PODE SER ANUNCIADO. HÁ ALGUM TEMPO ATRAZ JUNTO DA AR A POLICIA ESTEVE 2 HORAS A SER AGREDIDA POR SUPOSTOS INFILTRADOS E MAIS UNS PALERMAS. ISTO SÓ SERVIU PARA JUSTIFICAR A ACTITUDE COBARDE E INTIMIDATÓRIA QUE DEPOIS SE SEGUIU.QUALQUER MOÇO QUE ´SERVIU A PÁTRIA COMO SOLDADO NOS BONS VELHOS TEMPOS, SABE COMO SE RESOLVEM ESTES ASSUNTOS RÁPIDAMENTE E COM POUCO ESPALHAFATE..

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s