É a geoestratégia, Estúpido


Geografia Política em torno do Mar Negro

Black-Sea-map

Anúncios

Ar condicionado “aquece” Guerra Fria?


O Empresário, o Boy, o Serviçal e a Ressabiada

O caso Mário Crespo/Zita Seabra trata-se, a meu ver, de uma manobra de comunicação do Governo. Alguém no governo “meteu os pés” e veio dizer que o Alexandre Alves tinha dinheiro a devolver ao Estado referente ao projecto da fábrica de painéis solares que o empresário está a instalar em Abrantes, e que representa um investimento de mil milhões de euros.

Ora acontece que o Empresário ridicularizou o Governo ao afirmar que não chegou a receber um tostão. Por outro lado, e uma vez que se trata de um projecto interessante e “apetitoso”, alguém do governo poderá mesmo ter já algum capital “amigo” interessado em “abocanhar” o negócio.

Para salvar a face e descredibilizar o Empresário, o Governo recorreu ao seu blow man de serviço, Mário Crespo, que foi ressuscitar alegações escritas pela D. Zita no seu livro “Foi Assim”, de 2007, sobre o tema dos aparelhos de “ar condicionado” com supostas “escutas”. Ao contrário do que tem sido escrito por aqui a afirmação inicial, portanto, é da D. Zita, razão pela qual ela não a pode desmentir – está escrita.

O objectivo é, evidentemente, afectar a viabilidade do projecto desestabilizando a relação da Alexandre Alves com os seus parceiros estratégicos de financiamento e, sobretudo, com o seu principal parceiro tecnológico: a Siemens. Simples, não?

Escutas no ar condicionado?

A sugestão da D. Zita, sobre a instalação de microfones em aparelhos de ar condicionado, é, em si mesma, uma das coisas mais estúpidas que a senhora, pródiga em disparates, já alguma vez afirmou. Eis porquê:

Nas décadas de 70 e 80 os aparelhos de ar condicionado eram constituídos sobretudo por componentes “mecânicos” e eléctricos – a electrónica era rudimentar – e, por essa razão, faziam um ruído considerável que impossibilitaria a captação de som inteligível. Por outro lado, seria necessário que o som captado fosse gravado, uma vez que não existiam telecomunicações como as que conhecemos actualmente.

Os suportes de armazenamento eram as cassetes e as disquetes, e não existiam algoritmos de compressão de áudio, tipo MP3, pelo que seria necessário recolher e substituir a cassete (ou a disquete) mais ou menos a cada hora; à época, estes equipamentos eram quase do tamanho de uma caixa de sapatos nº 32, sendo por isso difíceis de ocultar;

Os equipamentos de ar condicionado são dispositivos que requerem manutenção frequente e regular para limpeza e substituição de filtros, carregamento de gás, etc., realizadas pela “manutenção” do revendedor onde há sempre grande rotação de pessoal, tornando impossível que algum técnico não tivesse detectado um “corpo estranho” dentro do dispositivo;

Já se passaram 30 anos desde então, a maioria dos equipamentos foi desmontada e substituída, por obsolescência, e nunca foi encontrado qualquer elemento inesperado dentro de nenhum aparelho;

A CIA e a NATO realizavam operações de controle e detecção de dispositivos de escuta e nunca encontraram nada que se parecesse – a menos que a CIA e a NATO também estivessem a trabalhar para a RDA… :))

A D. Zita e o Sr. Crespo aproveitaram mais esta oportunidade para se cobrirem de ridículo e descredibilizar-se um pouco mais, desta feita de uma forma divertida! Aproveitemos. Agora que vai faltando o Pão, o Governo decidiu aumentar-nos a ração de Circo. Há que agradecer, rir e seguir em frente!

Ver também este vídeo da Assembleia da República que mostra situação a propósito deste assunto que quase chegava a vias de facto.