A propósito de Direito, Justiça, Jornalismo… e Sócrates


4a2b53_2b4f62d9b7774b1bbecf9bd9e62288c7Este debate, muito salutar diga-se, é ao mesmo tempo político e jurídico. É complexo portanto. Mas vejamos se nos pomos de acordo com o seguinte:
1. são os políticos que aprovam as regras de Direito Penal. Neste ramo do Direito o que é crime tem de estar exaustivamente elencado e claramente expresso. No Direito Penal não se aplica, por exemplo, a analogia como forma de integração de lacunas. Não há lacunas no Direito Penal. Se consta da lei é crime, se não consta, não é crime. Quem interpreta a lei, avalia os indícios, as evidências, os factos e, nos termos da Lei aplicável determina se constituem PROVAS de um dos crimes taxativamente enumerados, como explanado acima. Estamos no plano do direito substantivo. Matéria de facto, portanto.

2. Também são os Políticos que aprovam as regras de Direito Processual Penal. O Direito Processual é, ao contrário do anterior, de natureza adjectiva; implica uma grande margem de subjectividade e a Lei portuguesa, nesta matéria, dá enorme latitude ao Estado (acusação, Ministério Público, Procuradoria). Abaixo exemplifico onde começa esta latitude e quão contrária à Democracia e ao Estado de Direito ela se revela.
O Processo, quaisquer que sejam os crimes e os sujeitos, conhece várias etapas como, por exemplo: – investigação; indiciação; constituição dos suspeitos como arguidos; definição das medidas de coacção a aplicar; dedução da acusação; decisão de arquivar ou levar a julgamento; e sentença. Grosso modo é isto. Sem pretender ser exaustivo, mas, pela sua importância nas diversas etapas, poderia ainda acrescentar: arrolamento de testemunhas materiais e/ou periciais, análise forense, técnica e científica das provas, quando justificado, etc., etc..

Ora, notarão decerto que há uma discrepância lógica – do ponto de vista do Estado de Direito, da presunção legal de inocência até trânsito em julgado da sentença definitiva e da afirmação dos Direitos Civis (Direitos Fundamentais) – nas etapas do alinhamento processual supra: os suspeitos são constituídos arguidos e são-lhes aplicadas medidas de coacção antes de deduzir a acusação. Isto só tem uma leitura possível: o Estado constitui arguidos, a quem pode privar até da liberdade durante um tempo variável, para, só depois, investigar e reunir as provas necessárias à dedução da acusação. Para ganhar vantagem e para intimidar, calar e diminuir as hipóteses de Defesa dos arguidos.

Grave mesmo, na sequência processual, é o facto de o Ministério Público não ser obrigado a partilhar os indícios e as suspeitas com a Defesa até à dedução da acusação. Como em “O Processo”, de Kafka, o sujeito é alvo de um Processo sem saber de que é acusado. Pela simples razão de que se prende primeiro para investigar a seguir. Priva-se um cidadão da Liberdade com base em meros indícios e suspeitas vagas, a pedido do Ministério Público que representa a “parte” Estado no Processo.

Todavia, no Processo Penal há uma figura que pela natureza das suas funções deveria ser imparcial: o Tribunal de Instrução Criminal, a quem cabe apreciar as alegações da “acusação” e as explicações da Defesa, no sentido de determinar se o Ministério Público tem um caso suficientemente sólido e consistente para levar o Processo a julgamento (gastando, desse modo, dinheiro dos contribuintes) ou se, pelo contrário, não tem solidez nem consistência, devendo por essa razão ser arquivado. Este juízo tem de ser IMPARCIAL e… in dubio pro reo. Em Portugal, estes Tribunais decidem frequentemente como prolongamentos do Ministério Público – In dubio pro Estado. O pior, no meio de tudo isto, é a gigantesca quantidade de decisões que está entregue, exclusivamente, à discricionaridade de um único homem: o Juiz do TIC, que até há bem pouco tempo era apenas um, impedindo assim a aplicação do princípio do “juiz natural”, ou seja, apurado por sorteio.

O exemplo que prometi acima e que ilustra profusa e graficamente a relação existente entre os agentes da aplicação da Justiça é a “arrumação” das “partes” nas salas de Tribunal (dos mais antigos, pelo menos): O juiz (ou colectivo) senta-se num “palco” (patamar) elevado em relação à sala e, naturalmente, aos advogados de defesa e arguidos. Até aqui tudo bem. Estranho, mas eloquente, é o Ministério Público ter lugar ao lado do Juiz (ou Colectivo) em cima desse palco. Ou seja, o Estado senta-se ao lado do Juiz e o Cidadão senta-se num plano inferior.

Por último: nos casos mediáticos o Estado conduz dois processos em simultâneo: um judicial, legítimo, e outro mediático, ilegítimo, através da libertação cirúrgica e faseada de pedaços das convicções que pretende, e terá de, demonstrar no julgamento. Para criar o clima apropriado na Opinião Pública e, assim, influenciar a decisão do Tribunal que irá julgar o caso.

Os Jornalistas deveriam, sempre, defender em primeiro lugar a cidadania e a Liberdade. E, por isso, em caso algum deveriam defender a prepotência e o abuso de poder do Estado. Seja qual for o nome do arguido.

Têm tudo isto em conta?

Juiz Natural


juiz-tribunalOnde está o direito dos arguidos a verem os seus processos apreciados por um Juiz Natural, isto é, determinado por sorteio?

Tendo em conta o “histórico” da “relação” judicial entre o Juiz Carlos Alexandre e José Sócrates (recorde-se que este Juiz foi alvo de um processo disciplinar na sequência de outro “processo” que investigava Sócrates), não deveria o Juiz ter pedido escusa deste processo, com tal fundamento? Não irá a Defesa de Sócrates suscitar um incidente processual a propósito da “competência” deste Juiz para apreciar este caso?

A ideia da “cowboyada” policial e mediática partiu de quem? Do Magistrado do Ministério Público ou do Juiz de Instrução?

Liaisons Dangereuses entre Política, Justiça e Culinária


confitar-bacalhau-fotoRevelam-se quando a Política se serve da Justiça para “confitar” um cidadão durante vários anos e a certa altura decide “gratiná-lo”.

220px-Lasagna

Este é um pensamento filosófico, “consequência de estar mal-disposto”. Qualquer semelhança com factos ou personalidades da vida real é pura coincidência.

José Gomes Ferreira e Sócrates…um manipulador de números a comentar um manipulador de números


de Eduardo Maltez Silva

não sendo isento o video, tentarei mostrar um pouco o outro lado dos números. (basta googlar para saber esses dados)

1. NÂO TINHAMOS DINHEIRO PARA SALÁRIOS
nenhum país do mundo cuja oposição impeça o pedido de empréstimos terá dinheiro para pagar os seus salários…NENHUM, nem Alemanha, nem china, nem estados unidos.
o senhor comentador “esquece-se” de dizer em que momento o ministro das finanças disse isso. Foi depois do PSD impedir o PEC4 e quando os juros para empréstimos já ia em 7% .esse “esquecimento” não é isenção…é manipulação de massas. O PSD queria subir ao poder, e tudo valia a pena, colocando o FMI e destruindo Portugal

2. O AUMENTO DA DIVIDA DESTE GOVERNO É HERANÇA DE SOCRATES
O comentador “esquece-se” de dizer qual a percentagem dessa herança de Sócrates no aumento da divida? Tbm se esquece de qual a percentagem de Santana, Cavaco, e os outros governos? Sabem quem foi o único governo a baixar os gastos do estado em relação ao PIB na historia da democracia? Sabem qd crescemos mais nos ultimos 20 anos? sabem quando ouve mais progressos na saude, no ensino, na reforma da seg social?
As alterações de suprimentos da Parpúblic num dos veículos para o BPN, foi 750 milhões (“HERANÇA” DE SOCRATES FOI APENAS 1% no ano de 2012) em 2011 pouco mais de 2% dos 38,2 mil milhões (com o bpn e scuts).
Se pegarem na divida em rácio com o PIB…Sócrates vence a milhas;
Se pegarem na divida com valores brutos…é ela por ela;
(ficam as duas a rondar os 37MM e 38MM de euros, já com a herança descontada)
A diferença está, que no primeiro caso, não estavamos em recessão, tinhamos um superavit em 2009 (antes do pec4), não tinhamos o desemprego a 16,6%, não tinhamos uma recessão nunca vista em Portugal, não tinhamos uma destruição do estado Social, não tinhamos uma paragem de todos os investimentos publicos que pudessem fazer a economia mover-se, não tinhamos vendido tudo que dava lucro do estado, não viviamos numa sociedade de direita neo-darwinista, onde salvam-se só os mais fortes…

3. O SÓCRATES É O MONSTRO DAS PPPs
A Ernst & Young, no estudo de 36 contratos aponta que estradas representem encargos líquidos futuros da ordem dos 8,7 mil milhões de euros (cerca de 74% do valor anterior, menos que a divida escondida da MADEIRA).
Sócrates conseguiu reduzir os encargos líquidos por via da renegociação dos contratos que permitiu introduzir portagens. De um lado fala-se dos valores brutos (48MM), do outro dos valores liquidos.
O que importa mais? o que se gasta…ou o que se gasta menos o lucro??
o ideal era ninguem pagar pelas portagens…mas qual o mal do utilizador pagador??? (até é de direita essa lógica)…
Mas conhecem alguma scut que não seja essencial? E hospital?
sabiam que os custos (embora elevados) dos hospitais PPPs, são mais baixos que se fossem 100% do estado?? mais barato só se não existissem…(lógica neo-liberal)
Das 22 PPP rodoviárias existentes, o Executivo Sócrates lançou apenas oito.
(não sabiam?? pois…a lavagem cerebral foi mesmo muito boa)
E este governo o que fez? NADA, ABSOLUTAMENTE NADA

Ao tornar Sócrates mais negro que carvão…tentam fazer com que este governo pareça branco e imaculado…São todos cinzentos…